[gtranslate]
20 de novembro de 2009

Brasileiros recomendam produtos ligados à ação sustentável

De acordo com estudo promovido por três agências de publicidade em diversos países do mundo, 84% dos brasileiros consultados acreditam que têm o poder de fazer com que grandes empresas se comportem com mais responsabilidade

Por Repórter Brasil*

Cerca de 94% dos brasileiros recomendam enfaticamente aos amigos produtos de empresas com iniciativas sustentáveis. Esse é o principal resultados do estudo “Futuro Sustentável”, conduzido no Brasil pelas agências de publicidade Z+, Media Contacts e Mobext, que entrevistaram 2.532 consumidores brasileiros. As três agências fazem parte do grupo francês Havas, que realizou o levantamento  junto a 25 mil pessoas de dez países.
O levantamento mostrou ainda que 84% dos brasileiros consultados acreditam que têm o poder de fazer com que companhias se comportem com mais responsabilidade. No mundo, apenas 63% dos 25 mil entrevistados expressaram a mesma crença em seu poder de influenciar nas decisões de grandes empresas. De acordo com André Zimmermann, presidente da Media Contacts, os brasileiros declaram que o tema sustentabilidade tem de estar no dia-a-dia das empresas e ser muito mais do que ações de ‘marketing verde’. “Se as corporações derem a devida atenção ao assunto, certamente encontrarão possibilidades imensas de negócios”, afirma.
Uma proporção de 86% dos entrevistados no Brasil ainda afirmaram estar dispostos a recompensar empresas que possuem ações sustentáveis e 80% a punir as companhias irresponsáveis. “Apenas os chineses são mais críticos e punem mais”, complementa André.
A pesquisa foi realizada via internet e ouviu consumidores de Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, França, Alemanha, México, Brasil, China e Índia.
*Com informações da Agência Ideal Social Media Newsroom

Gostaria de se manter informado(a) através de notícias deste tipo? Preencha nosso formulário.

    Seu nome (obrigatório)
    Seu e-mail (obrigatório)
    Instituição/empresa que representa
    Como conheceu o InPACTO
    Qual é seu interesse