[gtranslate]
28 de fevereiro de 2009

Repressão não basta para combater crimes, diz ambientalista

“Reconhecemos o mérito das operações, mas elas precisam vir acompanhadas de ações de fomento na área social. Se não, o caos social tende a se agravar com o problema do desemprego”, destaca Marcelo Marquesini, do Greenpeace

Por Maurício Hashizume

O contingente de cerca de 300 pessoas – entre integrantes da Força Nacional de Segurança (156), da Polícia Federal (70) e da Polícia Militar e dezenas de fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) – que foi deslocado pelo governo federal para em Tailândia (PA) como parte da Operação Arco de Fogo – mantém ações de repressão à extração e comércio ilegal de madeira na Amazônia. Na seqüência, as ações de repressão serão estendidas para outros estados como Mato Grosso e Rondônia.
Cruzamentos de dados mostram que crimes ambientais estão bastante associados à ocorrência de outras práticas ilegais, como a exploração de mão-de-obra escrava. Dos 36 municípios prioritários de combate ao desmatamento selecionados pelo governo federal, 72% (26) também já foram palco de flagrantes da escravidão contemporânea.
A intervenção do poder público na Amazônia se deu como resposta aos veementes protestos da população (inclusive bloqueando a rodovia PA-150 e cercando agentes) contra a Operação Guardiões de Fogo, que teve início no dia 11 de fevereiro deste ano. O tumulto foi causado pela apreensão de 13 mil m3 de madeira ilegal (volume necessário para carregar mais de 500 caminhões) e sete serrarias (são 140 só em Tailândia, a 218 km da capital Belém) foram autuadas.
Quando o Ibama é expulso de uma cidade, declara Marcelo Marquesini, da campanha da Amazônia da organização não-governamental (ONG) Greenpeace,.”o que está em jogo é o Estado de Direito”. As autoridades, segundo ele, não podem aceitar essa lógica de que os madeireiros podem fazer o que quiserem. “Seria perpetuar essa situação”.
As operações de fiscalização e controle fazem parte da mobilização governamental contra o desflorestamento, que ganharam destaque extra com a divulgação de dados recentes sobre o avanço do ritmo de devastação da Floresta Amazônica, que já teve 17% de sua mata derrubada. Mesmo assim, empregadores e empregados do setor madeireiro reclamam da ausência de alternativas econômicas para a região. A prefeitura de Tailândia confirma que a extração de madeira é responsável por grande parcela da movimentação econômica local.
“Reconhecemos o mérito das operações, mas elas precisam vir acompanhadas de ações de fomento na área social. Se não, o caos social tende a se agravar ainda mais com o problema do desemprego”, destaca Marcelo, do Greenpeace. Ele lembra que são inúmeros os focos de desmatamento da Amazônia e que, em outros pontos em que o acesso é mais difícil como no município de Lábrea (AM), esse tipo de ação “nem chega a ecoar”. “Os fazendeiros sabem que a repressão do Estado não chegará até lá. E se aproveitam disso”.
De acordo com ativista do Greenpeace, do total estimado de 23,5 mil madeireiras na Amazônia, apenas algumas dezenas estariam dispostas e engajadas a se dedicar à sustentabilidade da Amazônia. “Existem bandidos que sempre atuaram na ilegalidade que não vão migrar para o bem, seja qual for a política do governo. Para esses, a única medida cabível é a repressão policial mesmo”.
Viscejam heranças culturais muito arraigadas entre os madeireiros, na visão do ambientalista, que destaca ainda que muitos fazendeiros que atuam na região vieram do Espírito Santo e do Sul da Bahia (onde a Mata Atlântica é hoje apenas residual) e também do Paraná e Santa Catarina (estados que assistiram à devastação das araucárias).”A floresta é concebida como espólio”.
“A base das medidas necessárias para o enfrentamento mais articulado da devastação estão previstos no Plano de Prevenção e Controle e Desmatamento da Amazônia (PPCDAM), de 2004, que vão muito além da fiscalização”, aponta Marcelo. Ele pede mais dedicação e investimento do governo para ações na área de sustentabilidade, como nas atividades de treinamento para o manejo florestal. A gestão de florestas públicas, analisa, segue lenta e pontual por causa da falta de estrutura estatal e os planos de reflorestamento em grande escala, que levam muito tempo para se consolidar, pouco avançaram.

Gostaria de se manter informado(a) através de notícias deste tipo? Preencha nosso formulário.

    Seu nome (obrigatório)
    Seu e-mail (obrigatório)
    Instituição/empresa que representa
    Como conheceu o InPACTO
    Qual é seu interesse