[gtranslate]
13 de maio de 2021

13 de Maio: Por dentro da história com o InPACTO

O fim do século XIX foi marcado por uma campanha abolicionista que mobilizou diferentes setores da sociedade brasileira em prol da abolição da escravatura no país, embora organizações quilombolas, rebeliões e pressões para sua libertação já existissem desde o século XVI.

Longe de ser um movimento por justiça social, apesar de muito necessário, teve seus reflexos e rumos tomados por influência da exportação de café, do investimento europeu na extração de matéria prima e na atração de milhares de imigrantes como mão-de-obra barata. Se estabeleciam aqui novas dinâmicas sociais, que tornavam o negro cativo uma mão de obra obsoleta. 

Conhecida como Lei Áurea, o movimento de 13 de maio de 1888, ao libertar a população negra sem a implementação de reformas que fizessem sua integração à sociedade e ao trabalho assalariado, foi incompleto. Ao não assumir a responsabilidade pela segurança e pela sua reinserção social, abandonou a população negra a própria sorte e exacerbou a discriminação racial.

Negros libertos passaram a buscar moradia em regiões precárias e afastadas dos centros das cidades, onde reformas e políticas higienistas expulsaram as populações pobres para os morros (como no Rio de Janeiro). Um exemplo são as favelas do Complexo do Alemão e da Penha, que têm origem em antigos quilombos e, assim como elas, muitas outras em diferentes partes do Brasil. 

Nesse contexto, a abundância da mão-de-obra imigrante e a segregação social, transformaram a população recém liberta em exército de reserva, sem força política. Com o tempo os desequilíbrios sociais e estruturais se acentuaram, aumentando o número de trabalhadores temporários, desempregados, moradores de rua e crianças abandonadas – consolidando uma estrutura ainda mais excludente.

O Brasil carrega consigo as consequências de sua raiz histórica, o que somado aos aspectos socioeconômicos, resulta até hoje em padrões de exploração que se reproduzem no meio rural e urbano. Sistematizados por fatores como raça, gênero, classe social, imigração e outras maiorias minorizadas.

Diferente da escravidão colonial considerada “lícita”, o trabalho escravo atualmente é ilegal. A abolição da escravatura, da forma como foi feita, sem uma política de proteção social, impulsionou o surgimento de bolsões de pobreza, gerando um conjunto de pessoas altamente vulneráveis e a precarização do trabalho de uma forma geral. 

A persistência dessa mentalidade de exploração faz desse cenário um recorte de realidade com grande espaço para sua propagação no Brasil, colocando as pessoas sob risco de serem submetidas a condições degradantes de trabalho, jornadas exaustivas, trabalho forçado ou servidão por dívida, o que caracteriza o que conhecemos hoje como trabalho escravo moderno (de acordo com o artigo 149 do código penal brasileiro)

Gostaria de se manter informado(a) através de notícias deste tipo? Preencha nosso formulário.

    Seu nome (obrigatório)
    Seu e-mail (obrigatório)
    Instituição/empresa que representa
    Como conheceu o InPACTO
    Qual é seu interesse