[gtranslate]
29 de junho de 2015

InPACTO se reúne com fornecedores de associados para falar de trabalho escravo

O InPACTO recebeu na última quinta-feira (25) fornecedores do Walmart e Carrefour para discutir ações e estratégias para redução de risco de trabalho escravo. O encontro, que teve a participação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), faz parte das atividades de mobilização de cadeias produtivas.
“Através do InPACTO nós construímos uma estratégia para prevenir e combater o trabalho escravo no Brasil de uma forma mais organizada, mais aprofundada e com uma contribuição efetiva das empresas”, explicou Caio Magri, diretor-presidente do instituto, na abertura do encontro. “Nossas pautas, estratégias, recursos e ações são definidas em um ambiente de diálogo permanente entre empresas e organizações, olhando tanto para a sociedade quanto para as políticas públicas”, completou.
Esta foi a primeira reunião que o InPACTO promoveu para discutir o tema de trabalho escravo na presença de fornecedores e parceiros comerciais de associados do instituto. “Acreditamos muito no processo de criação de redes e na importância de divulgar as cadeias produtivas. Esse é o insumo mais importante para entendermos como a economia brasileira está contaminada com graves violações de direitos humanos”, afirmou Magri.
Com uma série de dados e notícias sobre flagrantes de trabalho escravo em diversos setores, Mércia Silva, responsável pela secretaria executiva do InPACTO, chamou a atenção para a necessidade de as empresas ficarem atentas as suas cadeias produtivas. Ela citou como exemplo a carnaúba, utilizada na construção, mas também pela informática, indústria alimentícia, farmacêutica e de cosméticos para explicar a complexidade das cadeias. “Nós percebemos os riscos a que as cadeias estão sujeitas quando nos deparamos com um cenário onde a matéria-prima de várias coisas com as quais convivemos, como no caso da carnaúba, tem vários problemas de violações de direitos trabalhistas e humanos”.

Mércia apresentou o trabalho de mobilização e sensibilização das empresas no combate ao trabalho escravo. “Focamos nas cadeias produtivas e envolvemos as empresas porque nossa intenção é que elas sejam mesmo protagonistas e assumam uma parcela de responsabilidade na construção dessa visão”, declarou. Entre as ações do InPACTO estão os estudos de cadeia, a análise de dados e o diálogo com as empresas que aparecem em situação de risco para sugerir políticas e monitoramentos que melhorem a situação.
Reunião InPACTO
Luiz Machado, Coordenador Nacional do Programa de Combate ao Trabalho Escravo da OIT Brasil, apresentou às empresas participantes dados sobre o problema no Brasil e no mundo, explicou conceitos e falou sobre ações e ferramentas de combate desenvolvidas ao longo dos últimos 20 anos no país.
“Trabalho escravo se refere a uma violação dos direitos humanos e da dignidade da pessoa humana. Não está apenas associado ao trabalho na ausência de salário porque em alguns casos o salário existe e é até interessante, mas as condições caracterizam exploração”, esclareceu. A OIT estima que o número de vítimas chega a quase 21 milhões em todo mundo. São 18,7 milhões no setor privado e 2,2 milhões no setor público. Os dados são de 2012. A região com mais alta incidência é a Ásia.
Além das condições que caracterizam trabalho escravo – trabalhos forçados, jornada exaustiva, condições degradantes e restrição da locomoção – Machado explicou que quando há uma exploração da vulnerabilidade do trabalhador, mesmo que haja um consentimento da parte deste trabalhador, este consentimento não é considerado válido pela OIT. É o caso de trabalhadores bolivianos que escolhem trabalhar nessas condições no Brasil por conta de um contexto de necessidade. No caso de crianças, qualquer tipo de consentimento também é inválido. (Leia também a matéria sobre trabalho infantil publicada pelo InPACTO).
Machado ainda ressaltou a importância do trabalho do Grupo Móvel de Fiscalização do MTE. “A fiscalização no Brasil é uma referência internacional. Ela tem viajado o mundo tudo, a convite da OIT, inclusive, para mostrar esse modelo. É um trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego junto com o Ministério Público do Trabalho e uma força policial. Ou seja, não é apenas um auditor, mas um trabalho em equipe que faz a avaliação das condições para ver se caracterizam ou não o trabalho escravo”, explicou.  (Leia também a matéria sobre a reunião promovida pelo InPACTO com Paulo Sérgio Almeida, secretário do Ministério do Trabalho Emprego).
 
Dados do Trabalho Escravo no mundo:

Estimativa do número de vítimas no mundo (dados de 2012): 20,9 milhões.

Vítimas de Estados: 2,2 milhões

Vítimas no setor privado: 18,7 milhões

Mulheres: 11,4 milhões

Exploração sexual: 4,5 milhões

Exploração laboral: 14, 2 milhões

Migrantes: 9,1 milhões

Lucro: US$ 150 bilhões ao ano

 
Trabalho Escravo no Brasil:
(Dados do MTE apresentados pela OIT e pelo InPACTO)
Dados MTE
 
 
Dados MTE
 
 
Definição de Trabalho Escravo:
Artigo 149 do Código Penal Brasileiro, reformulado em 2003 pela lei 10.803, considera trabalho escravo:
– Submeter o trabalhador a condições degradantes de trabalho;
– Submeter o trabalhador a jornadas exaustivas de trabalho;
– Submeter o trabalhador ao trabalho forçado;
– Cercear a liberdade do trabalhador por dívida ou isolamento.
 
Participaram do encontro:
Basf
Brinquedos Estrela
Cargill
Carrefour
Fundação Getúlio Vargas
InPACTO
L’Oréal
Nestlé
OIT
Papel Social Comunicação
Sony
Unilever
Walmart
Warpol
 

Gostaria de se manter informado(a) através de notícias deste tipo? Preencha nosso formulário.

    Seu nome (obrigatório)
    Seu e-mail (obrigatório)
    Instituição/empresa que representa
    Como conheceu o InPACTO
    Qual é seu interesse